Arquivo de Agosto, 2014

29
Ago
14

FEIRA POPULAR DA CHINA

Já se sabia que a Câmara de Lisboa queria vender os terrenos da antiga Feira Popular, agora sabe-se que há chineses (da Fosum) interessados no negócio para um projeto imobiliário, os tais que compraram os seguros da Caixa Geral de Depósitos por uns chorudos mil milhões de euros e que viram há uns anos o seu  então presidente ser detido por má conduta. Tudo o que mexe em Portugal, os chineses querem comprar!
 
O mais rocambolesco nesta história é que a Câmara ainda nem pagou a Domingos Névoa da Bragaparques o valor que lhe deve do acordo de 100 milhões, e terá porventura de pagar mais uns chorudos milhões de indemnização por prejuízos. Ou seja, a «Feira Popular da China» é capaz de não ser um negócio fácil, já que o caso anda ainda pelos tribunais. Além disso, é curioso que o privado Domingos Névoa não podia ficar com a Feira Popular (basta lembrar toda a agitação que houve na altura), mas agora que a Feira Popular já está mais que morta e enterrada os privados chineses já podem!!!

Como bem diz Miguel Alexandre Ganhão no CM de 28-08-2014, onde a notícia é revelada, é esperar que os chineses tenham a célebre paciência de chinês para que se concretize um negócio que interessa certamente a António Costa, já que já tinha dito que «os terrenos da Feira Popular destinar-se-ão à sua valorização do mercado. Serão vendidos». «A expectativa é que não percamos dinheiro», acrescentou. Mas para que não perca dinheiro terá porventura de os vender a um preço muito, mas muito acima do valor de mercado. É que, em Fevereiro, Domingos Névoa, à saída das Varas Criminais de Lisboa como testemunha no «caso Bragaparques», relacionado com a permuta do Parque Mayer (que era detido pela empresa) por parte dos terrenos de Entrecampos onde estava a Feira Popular (detidos pela Câmara de Lisboa) e a venda em hasta pública do remanescente, disse que o acordo com a Câmara de Lisboa – para que ambos os terrenos voltem à posse do município por 100 milhões de euros – ainda não está encerrado.

«O acordo não está fechado, ainda vai a procissão no adro. Cem milhões de euros é um terço daquilo a que temos direito pelo prejuízo directo e indirecto que deram à minha empresa. Eu vou reivindicar tudo aquilo a que tenho direito, mas sei que o prejuízo causado directo e indirecto à nossa empresa é superior a 350 milhões de euros».

E se a Câmara tiver que pagar esses 350 milhões? Como ficam as contas do negócio?? Pagam os contribuintes o prejuízo da Cãmara para um lucro chinês??? É que, como António Costa muito bem falou em 2013, ANTÓNIO COSTA FALOU DURO:«HÁ UM POLVO QUE SE ALIMENTA DO DINHEIRO DO POVO» , não podemos aguentar mais negócios alimentados com dinheiro do povo. Agora tem de manter a coerência! Porque adamos todos fartos de negócios duvidosos.

 

Anúncios
29
Ago
14

“ASSALTO” AOS MILHÕES DE OBIANG

 

Sílvio Sousa Santos, o empresário madeirense que ficou famoso pela escandalosa falência milionária do Colombo’s Resort, em Porto Santo, está de volta aos negócios chorudos, de milhões, depois de ter estado afastado da ribalta em que as suas desventuras hoteleiras o tinham metido. O negócio agora já não é de hotelaria mas de «educação» e desenvolve-se em África: uma rede de escolas para os filhos das boas famílias!!! Um negócio muito filantrópico, cultural e social.

Sílvio Sousa Santos trocou os seus velhos associados do BPN, como Joaquim Coimbra, por outros sócios: um militar português na reserva muito ligado a África, um político cabo-verdiano (o «facilitador») e… a «primeira dama» da Guiné Equatorial que financiará o projecto, com os restantes sócios a possuírem apenas a «esperteza do negócio» ou, como dizem os ingleses, o «know-how».

A falência dos projectos hoteleiros de Sílvio Sousa Santos tinha sido descrita a 04-02-2009 na ‘Publituris’ (http://www.publituris.pt/2009/02/04/aguas-agitadas-no-porto-santo/) de forma sucinta:

«O ano de 2009 não começou em grande no Porto Santo, sobretudo no Colombo’s Resort. A Starwood rescindiu o contrato de gestão com a proprietária SIRAM Turismo (precisamente no último dia de 2008), e apesar dos esforços de Sílvio Sousa Santos, presidente da SIRAM, em tentar encontrar investidores para o projecto, apoios dos Governos Regional e da República, e mais financiamento, ao que noticiou o Diário de Notícias da Madeira, o projecto vai mesmo passar para a mão da banca. BANIF e BCP Millenium estão a tentar encontrar uma solução, mas esta, segundo o Diário, não passa pela liderança de Sílvio Sousa Santos.

O empresário madeirense remeteu-se ao silêncio, mas já terá informado o sindicato bancário que financiou o projecto de que não tem mais condições para concluir o mesmo. Acumulada estará uma dívida de quase 70 milhões de euros à banca (de acordo com o empréstimo concedido), e de mais 40 milhões à Casais, construtora envolvida. Entretanto Sílvio Sousa Santos terá perdido sete milhões de euros de capitais próprios, assim como os sócios (Joaquim Coimbra, accionista do BPN e da Sociedade Imobiliária e Turística do Campo de Baixo, e Goes Ferreira), e são ainda necessários mais 50 milhões de euros para a conclusão do empreendimento, que já teve data de abertura adiada três vezes.

Com a banca a liderar o processo, tem havido contactos institucionais, tanto a nível regional quanto nacional. E, segundo o Diário de Notícias da Madeira, terá sido pedido ‘um adiantamento nos prazos limites de validade nos apoios concedidos no âmbito do PITTER – cerca de nove milhões de euros – bem como a possibilidade de o Turismo de Portugal, através de uma empresa de risco, viabilizar uma empresa-veículo que possa concluir a construção do Colombo’s Resort’.»

O indivíduo, que começou nos negócios a fazer as «iluminações» de Alberto João Jardim (a própria sigla SIRAM significa apenas Sociedade de Iluminações da Região Autónoma da Madeira, LDA) e viu falhar a sua incursão na hotelaria em Porto Santo, tenta agora saltar do Funchal para a Guiné Equatorial, à procura dos chorudos dinheiros que lhe têm faltado.

 

28
Ago
14

HOMENS EM FUGA DA POLÍTICA

Paulo Portas andará a preparar a sucessão no CDS-PP para a Ministra da Agricultura, Assunção Cristas. Uma boa oportunidade de voltar a estoirar com o partido depois da «sucessão Ribeiro e Castro» ter dado os resultados que deu.

Já Passos Coelho anda a querer que a sucessora seja Maria Luís Albuquerque,  pelo que se lia no Expresso de 17 de Agosto (num artigo de Christiana Martins na Revista do Expresso que insistentemente a promovia a líder do PSD). Temos, assim, a passadeira vermelha estendida para a ambiciosa Merkel portuguesa. E com ajuda do porta-voz Marques Mendes, que a lançou como nome para o futuro do PSD.

Só falta mesmo Maria de Belém tomar conta do PS e o PCP entregar a liderança à rica ex-presidente de câmara de Almada Maria Emília… Já que no Bloco temos uma mulher na liderança bicéfala.

28
Ago
14

JUSTIÇA EM CONTENTORES! E EXPORTÁ-LA?

Com o Ministério da Justiça e os tribunais em contagem decrescente para a entrada no terreno da grande reforma de Paula Teixeira da Cruz, no início de Setembro, temos tribunais, com Faro, Loulé e Vila Real como casos mais paradigmáticos, a funcionar em contentores!!! Ou seja, temos a Justiça com carga pronta a exportar!!!!

Juizes, procuradores do Ministério Público (MP) e funcionários judiciais vão trabalhar provisoriamente em contentores e mesmo em parques de estacionamento até as obras para o novo mapa judiciário estarem prontas…

Ora aqui está uma bela oportunidade para a balança comercial portuguesa. A própria ministra diz que não são contentores de obra e, veja-se bem, até têm melhores condições do que muitos tribunais!… Se acharmos, claro, que a dignidade de quem vai ter de trabalhar em contentores não tem qualquer importância!

Que tal exportar Justiça??? Sabemos de inúmeros países onde Madoffs e outros indivíduos do mesmo calibre bem agradeciam… Mas isto é uma vegonha e, para rir, nem os contentores colocados são suficientes!!!! Em Faro, o projeto inicial previa 31 gabinetes dentro dos contentores, mas foram aparentemente entregues menos dez do que o previsto.

Os serviços do tribunal da comarca de Faro vão estar a ser prestados nos  contentores, durante os cerca de nove meses em que irão decorrer as obras de melhoramento do atual Palácio da Justiça. E os contentores estão colocados num terreno de terra batida perto do Complexo Desportivo da Penha, junto a uma das saídas de Faro para Olhão, numa das zonas mais problemáticas da cidade…

 

 

28
Ago
14

POR TER SIDO BARRADO! INDIVÍDUO MATA SEGURANÇA À FACADA

Não entendemos! O que leva um indivíduo a assassinar um segurança de um bar, em Albufeira, só porque foi barrado de entrar três dias antes! Se vivemos num Estado de Direito tem de ser exemplarmente punido!  Esperemos que a justiça aja em conformidade e que este caso sirva de exemplo!!!!!!

O crime ocorreu na madrugada do passado dia 20, à porta de um bar, quando o detido, Valter Nunes, cabo-verdiano residente em Queluz, mas que estava a trabalhar em Albufeira, munido com um objeto cortante, perfurou o tórax do segurança, de 40 anos de idade, provocando-lhe a morte.

Na ocasião, um terceiro individuo, de 24 anos de idade, interveio em defesa da vítima, tendo também sido ferido pelo detido no abdómen. Em sequência, vários indivíduos agrediram o detido fraturando-lhe o maxilar, o que motivou o seu internamento hospitalar até esta quarta-feira (. Após receber alta hospitalar, a Polícia Judiciária deteve o indivíduo que está agora em prisão preventiva.

 

28
Ago
14

ALTOS VOOS DA COCAÍNA

Uma portuguesa foi detida pelas as autoridades venezuelanas quando se preparava para voar de Caracas para Lisboa com mais de quatro quilogramas de cocaína. Já noutros «voos», a Força Aérea portuguesa participou numa operação conjunta com as autoridades espanholas, que levou à detenção de três pessoas e na apreensão de uma embarcação do tipo veleiro com mais de 850Kgs de cocaína em águas internacionais ao largo de Viana do Castelo.

Os casos detetatos sucedem-se a ritmo sempre alarmante, e sem fim à vista. Torna-se bastante pertinente relembrar, propósito, um artigo aqui publicado onde revelávamos um texto inquietante sobre uma «batalha» que, pelos vistos, estará perdida.

A norte de Caracas, a portuguesa, identificada como sendo Carla Sofia Pereira Batista, de 37 anos, foi detida na tarde da última terça-feira (noite em Lisboa) por funcionários da Unidade Especial Antidrogas, da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar), no Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía

No momento da detenção a portuguesa tinha uma faixa no abdómen e nas pernas com 20 barras que pesavam, na totalidade 4,16 quilogramas e cujo produto foi identificado como sendo cocaína.

A detenção da mulher, que várias fontes dizem ser natural do Porto, teve lugar quando pretendia embarcar no voo da TAP com destino a Lisboa

Já a Força Aérea monitorizou ao longo das últimas semanas a rota efetuada pela embarcação suspeita, no Atlântico Norte, contribuindo assim de forma inequívoca para o sucesso da operação.

Enquadrado no âmbito das missões de reconhecimento e vigilância no Espaço Estratégico de Interesse Nacional Permanente (EEINP), através de um comando e controlo centralizado, foi possível fazer uso das múltiplas capacidades dos meios da Força Aérea, que possibilitam o acompanhamento de todos os contactos suspeitos de forma indetectável.

O Pandora Lys, uma embarcação do tipo veleiro, foi apreendida pelas autoridades espanholas na noite de 25 de agosto.

 

27
Ago
14

OS «MEETS» VIRARAM SÉRIO PROBLEMA DE SEGURANÇA

A PSP vai estar hoje a vigiar o centro comercial Colombo PSP em alerta para encontro convocado por internet para reunir 1000 jovens. Depois dos problemas já provocados no Vasco da Gama e em Cascais, estes encontros estão a revelar-se um sério problema de segurança.Os jovens que lançaram a iniciativa de hoje dizem na mensagem do convite: “Vamos conhecer o pessoal sem estrilhos e confusão”, o que seria uma novidade. Já que estrilho e confusão é o que tem acontecidoo.

No Vasco da Gama, recorde-se este pessoal que não quer estrilhos nem confusão teve  confrontos com a polícia, e quatro pessoas foram detidas. E porque o  Ministério Público já percebeu a seriedade do problema que os meets estão a criar pediu na passada terça-feira ao Tribunal de Pequena Instância de Lisboa a condenação com penas exemplares de dois dos detidos  Fábio Barros e Guilherme Guimarães. A leitura do acórdão está prevista para o próximo dia 2 de setembro. Os detidos estão acusados de crimes de coação e resistência às autoridades.

Qualquer pessoa entende que o que está aqui em causa não são os encontros de jovens (vários têm contecido sem problemas) mas o histórico que alguns já criaram. E muito menos em causa está a cor dos jovens. Só a vontade de aparecer justifica o aproveitamento da situação pelo SOS Racismo que chegou a defender o disparate de que  “o caos [no Vasco da Gama] só foi possível” devido à intervenção da PSP, que “face à concentração de jovens negros no local”, originou “uma acção tão musculada da polícia”. Para esta organização, os desacatos, que provocaram ferimentos ligeiros em cinco polícias e a detenção de quatro jovens, “são mais uma evidência do racismo flagrante na actuação das forças de segurança em geral e, neste caso em particular, da PSP”.

Frases que são  uma evidência da ignorança flagrante da SOS Racismo, que vê numa questão de segurança uma questão de raça, que pouco ou nada importa neste caso.  Os próprios jovens, que  a SOS Racismo não se deve ter dar ao trabalho de ouvir, explicam o problema:

“O problema não foi a multidão, dizem. Foram os beefs. Traduzindo: lutas, acertos de contas. Estes eventos parecem caóticos mas têm regras, ou regra: durante o evento declara-se cessar-fogo, tréguas; não há grupos, gangues ou rivalidades. ‘Queremos divertir-nos e socializar. Por isso, já sabem, resolvam os beefs antes do meet’ “.

Se não resolvem os beefs antes do meet, ganham, e muito bem, um meet com a polícia e a justiça.