18
Out
12

Não cometeu fraude fiscal porque as Finanças dizem que “nada deve ao fisco”, diz Isaltino

Isaltino Morais, apesar de já condenado a 2 anos de prisão, diz que quer provar que não cometeu qualquer crime de fraude fiscal. E por isso lá vai mais uma acção judicial para apurar se de facto houve crime de fraude fiscal, pelo qual foi condenado, depois de ter receber uma certidão comprovativa de que o autarca “nada deve ao fisco”.

A certidão do serviço das Finanças de Oeiras diz que Isaltino “tem a sua situação tributária regularizada” e que nos anos de 2000, 2001 e 2002 “nunca correu termos nas Finanças qualquer processo referente a fraude fiscal”, o que não deixa de ser uma curiosa argumentação, quando é sabido que muitos dos que são condenados por fraude, o são precisamente por terem conseguido enganar as Finanças.

Aqui fica a história contada no início da semana CM:

Fonte ligada ao processo adiantou à agência Lusa que a defesa do autarca decidiu, no Verão, fazer uma “análise profunda de todo o processo”, à qual chegou à conclusão que “não havia nenhuma prova das Finanças que sustente a condenação por fraude fiscal”. Assim, informou hoje a defesa, no dia 12 de Setembro foi intentada no Tribunal Administrativo e Tributário de Sintra uma acção de impugnação para liquidação fiscal com o objectivo de apurar se o autarca tem dívidas ao fisco.

“Sendo inequívoco que Isaltino Morais só foi condenado por crimes fiscais [dois anos de prisão por três crimes], a ausência de intervenção dos serviços de Finanças (apesar da sua imprescindibilidade reiteradamente assinalada) constitui nulidade que terá de ser apurada no âmbito do processo de impugnação judicial tributária”, sustenta a defesa.

Isaltino Morais foi condenado em 2009 a sete anos de prisão e à perda de mandato autárquico por fraude fiscal, abuso de poder e corrupção passiva para ato ilícito e branqueamento de capitais.

Em cúmulo jurídico, pelos três crimes de fraude fiscal e um de branqueamento de capitais, a Relação decidiu condenar Isaltino Morais a uma pena de dois anos de prisão.

Agora, segundo a defesa, os novos argumentos invalidam a condenação do presidente da Câmara de Oeiras pelos crimes de fraude fiscal e afirma que “ninguém pode ser condenado por alegada fraude fiscal sem previamente os serviços competentes apurarem da existência dos alegados valores em dívida”.

Uma notícia do jornal ‘Expresso’ dava conta de que “o Supremo Tribunal de Justiça deu razão ao Ministério Público e rejeitou o recurso apresentado por Isaltino Morais para evitar a sua prisão”.Sobre este assunto, a defesa do autarca disse ainda não ter sido notificada, bem como o arguido, e sublinhou que “se estiver a correr um processo de impugnação judicial ou tiver lugar oposição à execução, nos termos do Código de Procedimento e de Processo Tributário, em que se discuta situação tributária de cuja definição dependa a qualificação criminal dos factos imputados, o processo penal tributário suspende-se até que transitem em julgado as respectivas sentenças”.


0 Responses to “Não cometeu fraude fiscal porque as Finanças dizem que “nada deve ao fisco”, diz Isaltino”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: