20
Ago
12

ALGARVE,UM PARAÍSO PARA OS TRAFICANTES – SIV AINDA NÃO ENTROU EM ACÇÃO

A costa algarvia está a tornar-se um paraíso para os traficantes de droga. Enquanto do lado espanhol se aposta no reforço de radares e câmaras de videovigilância, na fronteira lusa que comporta 150 quilómetros de praias está ainda por implementar o chamado Sistema Integrado de Vigilância (SIV) que deverá apenas entrar em pleno funcionamento em Abril do próximo ano.

Para evitar que as lanchas rápidas com potentes motores fora de borda continuem a «desaguar» livremente em território português, a GNR aposta em unidades móveis, como é o caso de 50 embarcações e lanchas de fiscalização, contando apenas com um posto de radar no Ancão. Não fora as informações vindas do lado espanhol avisando as autoridades portuguesas sob todas as movimentações suspeitas, as estatísticas poderiam aumentar de forma drástica, com clara vantagem para os traficantes, os quais, em muitos casos, recorrem a barcos de pesca para as suas actividades criminosas, por darem menos nas vistas , contratando dessa forma mão de obra barata junto de pescadores a contas com a crise e o desemprego. Claro que os tais submarinos que nos custam os olhos da cara não entram para estas estatísticas – devem andar por aí ao largo à procura de piratas dos tempos modernos…

GOVERNANTE CONFIRMA CAOS NA VIGILÂNCIA

 Num comentário à manchete de hoje, segunda-feira, do Diário de Notícias – “Aumento da vigilância em Espanha empurra traficantes de droga para Portugal” – o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, garantiu que decorrem trabalhos para concluir a rede de postos de vigilância.

O ministro participou na cerimónia de entrega simbólica de coletes de proteção balística à PSP e, questionado sobre o desvio para Portugal, principalmente para o Algarve, das rotas de tráfico de droga respondeu: “Estou preocupado, mas não estou parado.”

“Já está em procedimento um conjunto de situações [visando] a ligação entre todos os postos e concluir os que falta”, disse o ministro.O governante recordou que, na última cimeira luso-espanhola, Portugal comprometeu-se a completar a rede de postos de vigilância da costa nacional até abril do próximo ano.

A rede é integrada com a espanhola, ou seja, é tecnologicamente compatível, e a sua cobertura vai permitir uma proteção que detetará movimentos e “permitirá resolver muitos desses problemas”, explicou Miguel Macedo. Aguardemos, pois…

 AUTORIDADES APREENDEM MENOS DROGA

 Apesar das dificuldades logísticas, o sucesso das operações de combate ao tráfico de droga sucederam-se no último meses, mas um olhar sobre a evolução das apreensões mostra que as polícias portuguesas têm apanhado menos estupefacientes nos últimos cinco anos. O ano passado foram apreendidas quase 14,5 toneladas de haxixe, a droga mais interceptada pelas autoridades, cerca de um terço das 44,6 toneladas confiscadas em 2007. No mesmo período, também a cocaína apreendida no país, que, como o haxixe, serve para abastecer não só o mercado nacional mas igualmente o europeu, diminuiu para metade.

Os dados são dos relatórios anuais de segurança interna e mostram que entre 2007 e 2011 a evolução não foi sempre no mesmo sentido, apesar de se verificar uma tendência para o decréscimo das apreensões.

O haxixe interceptado pelas polícias o ano passado foi a quantidade mais baixa dos últimos cinco anos. As 14,5 toneladas significaram menos de metade do apreendido em 2010, ano em que as autoridades conseguiram retirar do mercado mais de 33 mil toneladas de cannabis. Em 2009, o haxixe apreendido voltou a descer para quase 23 toneladas e no ano seguinte registou-se o recorde dos últimos cinco anos com mais de 61 toneladas confiscadas. A esmagadora maioria vem de Marrocos por via marítima e destina-se a Portugal, Espanha e a outros países europeus.

Laurent Laneil, do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência, nota que esta diminuição em Portugal acompanha uma tendência europeia. “As apreensões de haxixe diminuíram em vários países, sobretudo em Espanha, que concentra 75% das apreensões em toda a Europa nos últimos 15 anos”, sublinha o especialista. Sobre as causas que estão na origem do decréscimo não há certezas, mas o observatório avança as hipóteses mais prováveis. “Por um lado, a produção da cannabis em Marrocos foi reduzida, por outro há um aumento em vários países da produção interna, havendo hoje mais consumidores de erva do que de haxixe”, afirma Laurent Laneil.

Na cocaína, o decréscimo das apreensões é menos evidente. As 3,7 toneladas apreendidas o ano passado até significam um aumento de 13,4% face às 3,2 toneladas interceptadas em 2010, mas são números inferiores às 4,9 toneladas interceptadas em 2008 e às 7,4 toneladas no ano anterior. Laurent Laneil admite que tenha melhorado o combate ao tráfico nos países produtores e em alguns Estados africanos de transição. “Pode ainda haver novas formas de traficar mais difíceis de detectar e novas rotas que usam como porta de entrada na Europa os portos do mar Negro, nomeadamente na Roménia e na Bulgária”, refere. As grandes apreensões de cocaína no mar têm rareado, assistindo-se a um aumento nas intercepções feitas em contentores, o que parece indiciar uma nova tendência dos traficantes.

As apreensões de heroína têm sido residuais, tendo nos últimos cinco anos sido ultrapassada a fasquia dos cem quilos apenas uma vez. O ano passado foram confiscados perto de 73 quilos deste opiáceo, mais 27 quilos do que no ano anterior. Entre 2007 e 2009, as intercepções foram aumentando progressivamente de 62 para 68 e depois para 128 quilos, respectivamente.

Os comprimidos de ecstasy apanhados diminuíram substancialmente nos últimos cinco anos, com 2009 a registar uma excepção. O ano passado foram confiscados 7791 unidades, mesmo assim menos do que as perto de nove mil interceptadas dois anos antes. Em 2010 tinham sido apreendidos 48 mil comprimidos e em 2008 e 2007 o número rondou as 70.500 pastilhas.


1 Response to “ALGARVE,UM PARAÍSO PARA OS TRAFICANTES – SIV AINDA NÃO ENTROU EM ACÇÃO”


  1. 1 Viver com Dignidade
    Agosto 20, 2012 às 10:16 pm

    O problema da droga é que existe gente da grande por detras deste negócio chorudo. Quando digo gente da grande, digo gente que democratiza o código penal para que a droga escoe práticamente livremente no País pois que as sentenças dadas aos trficantes, são irrisórias. Mas não é somente na droga, vemos pura e simplesmente todas as máfias existentes circularem livremente no País sem qualquer problema. As máfias conseguiram desactivar as forças de segurança, e como? Não lhes dando meios para eles actuar e polos á boa maneira de salazar, uns contra os outros e como? Dando um rebuçado a um não dando ao outro, para isso á que investilos de funções que estão sobe alçada de outros e vice versa. Salazar dividia para governar, agora criam-se guerras entre outros para corromper pessoas e mentes, perante esta técnica avançada, existe muitos salazares a usá-la, este é o País dos salazares, mas disfarçados de democratas.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: