Arquivo de Agosto, 2012

30
Ago
12

REVELOU A WIKILEAKS: SUPER ESPIÃO ALERTOU PARA INTERFERÊNCIAS E MANOBRAS DA AUSTRÁLIA EM TIMOR

Jorge Silva Carvalho o antigo o super- espião «exorcizado» pelo grupo de media de Francisco Pinto Balsemão e que, por isso, caiu em desgraça, elaborou um documento de  análise  sobre as interferências e manobras da Austrália em Timor e a transmissão das preocupações portuguesas face à interferência australiana que fez chegar à embaixada americana em Lisboa. Xanana Gusmão era o homem da Austrália em Timor!

Segundo revelou hoje o blogue «Inteligência Económica», a WikiLeaks publicou um documento que põe a nú a existência ( já é uma tradição!)  de intercepção das comunicações da secreta portuguesa… Mal sabia o discreto Silva Carvalho que a tanta exposição e visibilidade estava destinado! O documento é revelador da forma como o SIED estava bem informado sobre a situação no terreno em Timor e as manobras australianas e seus objectivos (controlo do gás e petróleo de Timor) – manobras ao que parece,  têm decorrido perante o estranho alheamento das autoridades portuguesas que vêem as antigas colónias a perder posições de influência para países como a Austrália ou China.Onde está a chamada Lusofonia?

O documento revelado pela Wikileaks em Abril de 2011, faz menção ao facto de  um oficial da inteligência americana ter dito ao «líder português» ( primeiro ministro) que funcionários diplomáticos australianos haviam repetidamente fomentado “agitação ” em Timor Leste», a fim de promover a sua “geopolítico e interesses comerciais» .
O governo australiano, então liderado por John Howard, escolhera como alvo o primeiro ministro timorense, Mário Alkatiri, devido ao seu alinhamento com potências rivais, em especial Portugal, antigo colonizador de Timor e China..
Em Fevereiro e Março de 2006, cerca de 600 soldados timorenses, conhecidos como “peticionários”, amotinaram-se. O Presidente Xanana Gusmão fez então um discurso provocatório em 23 de Março em que denunciou que o governo de Alkatiri era corrupto e ditatorial. Em Abril, vários elementos de milícias criminosas da ex-Indonésia juntaram-se aos peticionários e organizaram uma série de ataques violentos contra soldados e forças de segurança que permaneceram leais ao Estado. O governo australiano aproveitou a agitação para exigir a destituição de Alkatiri.
Uma força de ocupação da Austrália, que compreendia 1.300 soldados e polícias apoiados por veículos blindados e helicópteros de ataque, foi condenada em Timor em 24 de Maio. Ao mesmo tempo, os meios de comunicação australianos entraram em frenesim, exigindo a demissão de Alkatiri. O ABC “Four Corners” publicou um relatório com acusações falsas que o primeiro-ministro tinha formado um “esquadrão da morte” para assassinar opositores da Fretilin. Em 26 de junho, Alkatiri capitulou, entregando o poder ao candidato favorito de Canberra, José Ramos-Horta
Paralelamente a estes desenvolvimentos, o World Socialist Web Site caracterizou o que aconteceu como um golpe de Estado australiano de inspiração política. O WSWS concluiu que não havia dúvidas de que militares australianos e agentes de inteligência em Díli tinham conhecimento prévio, e provavelmente incentivado, um motim dos peticionários e violentos protestos.
Os WikiLeaks avança mesmo pormenores de que telegramas diplomáticos da embaixada dos EUA em Lisboa, publicados no jornal Expresso, forneceram novas evidências importantes  que confirmaram esta análise do envolvimento australiano nos acontecimentos em Timor
Segundo os dados revelados pela Wikileaks,o documento elaborado pro Jorge Silva Carvalho foi enviado para o embaixador dos EUA em Portugal, Al Hoffman, em 12 de Junho de 2006, ou seja, 19 dias após as tropas australianas terem chegado a Timor e 14 dias antes de Alkatiri  se ter demitido. Intitulado, “Portugal: Uma Visão Inteligente de Timor Leste”, os relatórios provocaram uma acesa discussão entre elementos da embaixada oficial dos EUA, (identificada  como “Pol / Econ DepCouns”) e o  chefe de gabinete de Serviços de Portugal de Inteligência (SIRP). O documento obteve a chancela de prioritário e foi amplamente divulgado. Cópias foram enviadas para as embaixadas dos EUA em Timor Leste, Austrália, Nova Zelândia e Malásia, em Washington, para o secretário de Estado, o secretário de Defesa, Conselho de Segurança Nacional, e da Agência Central de Inteligência (CIA), chefias militares dos EUA do Comando e Inteligência Conjunta, sedeadas no  Havaí.
:Carvalho comentou que a Austrália não tinha desempenhado um papel produtivo em Timor Leste, ressaltando que os motivos da Austrália foram movidos por interesses geopolíticos e comerciais (petróleo, por exemplo), enquanto o interesse principal de Portugal foi a de «manter a estabilidade.”
Os comentários de Jorge Silva Carvalho relevam a rivalidade de longa data e amarga entre a Austrália e Portugal e sobre quem teria o papel dominante na chamada “independência” de Timor Leste.
 Um elemento da representação diplomática dos EUA em Lisboa referiu: “Ele [Carvalho] explicou que SIRP [ Serviço de Inteligência ] seguiu a situação no terreno de muito perto, precisando que até sabiam que tipo de sapatos os manifestantes usavam e onde comprá-los”,  insinuando que a Austrália já havia fomentado a agitação em seu benefício. Ele citou dois casos de demarcação de negociações da fronteira marítima entre Timor Leste e Austrália e negociações de demarcação de limites de exploração de petróleo ao largo da costa do Timor Leste, onde a Austrália tinha fomentado a agitação para acentuar a pressão sobre o Governo de Timor Leste. ”
Certamente não havia indignação ou choque por parte da embaixada americana *acerca do documento análise da responsabilidade de Jorge Silva Carvalho. Ao invés, o embaixador norte-americano fez uma avaliação serena de Jorge Carvalho, descrevendo-o como “um importante contato da Embaixada, pró-americano, que não é só entendido em matéria de inteligência, mas bem relacionado com partidos políticos em todo o espectro”, e cuja ” análise da situação em Timor Leste foi imparcial»., acrescentando que as «observações de Carvalho lançaram uma nova luz sobre a história de Timor-Leste no pós-independência».
Mas qual foi o papel desempenhado pelos militares e serviços de inteligência australianos que estavam muito ativos em Timor Leste? Uma semana antes dos tumultos, em 27 de novembro, o ministro do Exterior da Austrália, Alexander Downer, terá tido uma discussão muito acalorada com Alkatiri, em Díli. Downer insistiu que o governo timorense concordasse em ceder a maior parte do óleo Greater Sunrise reservas de gás  para a Austrália. Segundo a lei internacional, uma fronteira marítima equidistante entre os dois países davam o direito á Austrália de receber cerca de 20 por cento do Greater Sunrise. Mas Downer exigia 80 por cento, ameaçando que se a sua pretensão não fosse aceite, Canberra iria sabotar outro desenvolvimento no campo Bayu-Undan, deixando Dili sem royalties de energia.
“Se você quer ganhar dinheiro, deve concluir um acordo rapidamente”, declarou Downer.
«Com a publicação dos documentos da «secreta» portuguesa não restaram dúvidas  de que os responsáveis políticos de Canberra  instigaram provocações contra o governo da Fretilin», sublinham os documentos confidenciais dos diplomatas americanos citados pela Wikileaks.
A jornalista australiana Maryann Keady já havia informado que, no final de 2002, as autoridades australianas e norte-americanos indicaram que “os australianos pretendiam livrar-se deste ‘problemático’ primeiro-ministro ( Mário Alkatiti).” Ela também observou que após os motins de Dezembro, um representante da ONU “não oficialmente” foi para o escritório de Alkatiri e pediu-lhe para renunciar a favor de Xanana Gusmão, identificado como o homem da Austrália em Dili, enquanto Alkatiri foi considerado mais alinhado com Portugal. Os 2.006 telegramas revelam que, no auge da crise, apenas duas semanas antes de Alkatiri resignar, as autoridades governamentais portuguesas exortaram os EUA a manter Alkatiri no poder. De acordo com as informações prestadas por Jorge Silva Carvalho, “ressaltou a necessidade de se reconhecer a popularidade do Partido da Fretilin e o importante papel primeiro-ministro Alkatiri no mesmo.”

O documento da Wikileaks sublinha que Interesses econômicos e estratégicos do imperialismo australiano em Timor Leste e no Sul do Pacífico continuam a ser um assunto tabu nos círculos políticos oficiais e dos media na Austrália.

Anúncios
30
Ago
12

LADRÃO FURTA CARTEIRA A MEMBRO DO FMI NO ELÉCTRICO 28

É caso para dizer: ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão

 Numa altura em que a troika por cá anda a magicar mais medidas de austeridade em conluio com o Governo para engendrar mais formas para ir ao bolso dos portugueses de forma a atenuar os números de défice que teima em crescer, deliciosa a história ocorrida há uma semana, mas que só agora se teve conhecimento ( não se percebe tanto segredo à volta do caso…) que teve como protagonista um dos membros do FMI destacados em Lisboa. Um carteirista que costuma «atacar» na carreira de eléctrico 28, Lisboa, furtou a carteira a um elemento da troika que reside em permanência em Portugal e escapou sem ser detectado. Albert Jagger, economista austríaco foi assaltado na carreira que é poiso habitual dos amigos do alheio, quando efectuava uma visita turística ao Castelo de S. Jorge. A Divisão de Segurança a Transportes Públicos da PSP de Lisboa recolheu a queixa de Albert Jaeger que não deve te ficado com muitas saudades deste povo… que ele ajuda a «martirizar» com medidas draconianas de austeridade. É caso para dizer: ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão…neste caso, um ladrão desconhecedor da identidade da sua vítima que «aliviou» com algumas dezenas de euros, certamente bem escassos para atenuar qualquer orçamento familiar…

29
Ago
12

PASSOS RECUSA DIZER SE PAGOU IMPOSTO DO ALUGUER DA CASA DE FÉRIAS

Um primeiro ministro que se recusa a responder a esta simples questão – que não é do foro pessoal mas público, pois está em causa o pagamento de impostos – não merece credibilidade. Não responder a esta simples questão, demonstra que, provavelmente, terá alguns problemas de consciência…a tal má consciência que o leva a cortar subsídios no funcionalismo público e aumentar oito gestores públicos de um grupo restrito que passam a ter o mesmo ordenado do que ele: 6850 euros brutos mensais. São eles os presidentes e co-responsáveis do Instituto do Turismo, da Agência para a Modernização Administrativa, da Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública.

“Faz o que eu digo mas não faças o que eu faço. Esta é a verdadeira sabedoria.”

28
Ago
12

ESCÂNDALO – INSTITUTO DE EMPREGO PUBLICA NOME DE CANDIDATA A ADMITIR NO SEU PORTAL EMPREGO NET

Não fora este lapso que o IEFP dá a mão à palmatória, não se ficava a saber o compadrio que por aí grassa que possibilita que uma tal Vera Pereira tenha sido superiormente «abençoada» na sua candidatura a um lugar no Centro Paroquial de Tavira. Revoltante! E logo num dia em que também se soube que os políticos, contrariamente ao que aconteceu com os funcionários públicos,  aumentaram-se  em cerca de 80 euros mensais para compensar cortes de subsídios e pagar despesas de deslocação. Isto está cada vez mais a precisar de uma «ganda vassourada»!Já é tempo de o povo deixar de ser pacífico e tolerante face a tanto «lodo».

 

Uma oferta de emprego para educadora de infância na zona de Tavira que consta no site oficial do Insituto de Emprego e Formação Profissional onde, escandalosamente, era citado o nome da candidata a admitir,Vera Pereira,  está a motivar uma onda de indignação de centenas de internautas. Trata-se de uma oferta de emprego para educadora de infância com salário a rondar os 800 euros e o candidato devia estar inscrito como desempregado há mais de seis meses no Centro de Emprego. O estranho neste anúncio é que em letras maiúsculas surgia a indicação: “Só admitir a Vera Pereira”.

IEFP DIZ QUE SITUAÇÃO «É NORMAL»

Face à grande onda de criticas num país onde os desempregados são aos milhares e estas formas de clientelismo e compadrio caiem mal na sociedade cada vez mais revoltada face ao poder instituído ( que copia os males de anteriores governos), o IEFP corrigiu já o «alegado lapso» no seu site Portal NetEmprego, esclarecendo o seguinte:  

«A situação identificada é perfeitamente normal, ( !!)enquadra-se nos procedimentos previstos e estipulados para as ofertas de emprego apresentadas com o propósito de as empresas formalizarem candidaturas à medida Estímulo 2012.», acrescentando que « o lapso registado no procedimento foi apenas a evidência do nome da candidata desempregada apresentada pela entidade empregadora».

Diz ainda sem apresentar qualquer tipo de desculpa pelo «lapso: «A oferta de emprego com o nº 587 847 025,  para a profissão de Educador de Infância (M/F), foi apresentada pelo Centro Social e  Paroquial Santa Maria (Tavira) ao abrigo da  Medida Estimulo 2012.

Neste contexto, e de acordo com o regulamento do IEFP desta Medida, divulgado no portal IEFP e no NetEmprego, a entidade empregadora apresentou a indicação de uma candidata para o preenchimento daquela oferta.

Os procedimentos para tratamento de ofertas que se destinam a ser apoiadas ao abrigo da Medida Estímulo 2012, preveem que: 

  • A  entidade empregadora deve, em primeiro lugar, registar-se no portal Netemprego (www.netemprego.gov.pt), se ainda não estiver registada..
  • Seguidamente, deve registar uma oferta de emprego, exclusivamente, no portal Netemprego (www.netemprego.gov.pt), através da sua área pessoal, na opção Iniciar processo de candidatura, sinalizando a pretensão de beneficiar da Medida.
  • Após a validação da oferta de emprego pelo IEFP, caso a entidade empregadora não tenha identificado o desempregado a contratar, o centro de emprego apresenta-lhe desempregados em condições de elegibilidade, para que proceda à respetiva seleção e celebração do contrato de trabalho com o desempregado escolhido.
  • Caso a entidade empregadora tenha identificado o desempregado a contratar, o centro de emprego:

    a)  Se o mesmo reunir as condições legalmente previstas, apresenta o candidato para efeitos de celebração do respetivo contrato de trabalho;

    b) Se o mesmo não for elegível para a presente Medida, automaticamente o sistema envia um e-mail para a entidade, informando-a de que existe uma notificação na sua área pessoal do NetEmprego, a qual solicita que a mesma opte entre contratar o desempregado identificado, sem o apoio do Estímulo 2012, ou a apresentação, pelo centro de emprego, de desempregados em condições de elegibilidade, para que proceda à respetiva seleção e celebração do contrato de trabalho.

No caso vertente a entidade tinha identificado a pessoa desempregada a contratar pelo que procedeu à respetiva apresentação para a oferta em questão, decorrendo o processo de aferição relativamente à candidata apresentada de reunir os requisitos de elegibilidade da medida Estímulo 2012, razão pela qual a oferta de emprego permaneceu ativa no portal Net Emprego.

Não deveria ter sido evidenciado o nome da pessoa desempregada apresentada pela entidade empregadora, o que aconteceu por lapso».

Não fora este lapso que o IEFP refere, não se ficava a saber o compadrio que por aí grassa. Resta saber se a tal Vera Pereira não foi «abvençoada» para trabalhar no Centro Paroquial por ter um cartão de militante laranja.Revoltante!

 

27
Ago
12

JOVEM VIOLADO EM PRISÃO DE ALTA SEGURANÇA

A 1 de Abril passado havia 13 285 presos nas cadeias portuguesas. Tendo em conta que um recluso custa, em média, 40 euros por dia, segundo já foi assumido publicamente pelo próprio director-geral das prisões, Rui Sá Gomes, os 13 285 reclusos custam ao Estado 531 mil euros por dia.

O que se passa nas prisões é segredo dos deuses: temos conhecimento que a droga continua a entrar nas calmas, presos usam telemóveis perante a complacência de guardas que pouco ou nada fazem para evitar a entrada dos aparelhos, vendidos a preços exorbitantes e, volta e meia, tem-se conhecimento de acções violentas vitimando reclusos. Como aconteceu naquela que é considerada uma das prisões mais seguras do País, o Estabelecimento Prisional anexo à PJ que já albergou alguns dos famosos cá do burgo (Vale e Azevedo, Carlos Cruz, Duarte Lima, Oliveira e Costa entre outros…).No passado sábado,18, à hora em que a TV transmitia o Benfica/SP Braga, um jovem ali detido por pequenos furtos ( não se entende este critério de colocar um recluso acusado de crimes menores ao lado de criminosos de alto coturno, uma situação só explicável pela sobre lotação dos  estabelecimentos prisionais) foi violado por dois companheiros de cárcere, eles também jovens, com 17 e 18 anos. Chegou a resistir e foi violentamente agredido, isto perante o estranho alheamento dos guardas prisionais,já  alvo de um inquérito por parte da Direcção Geral dos Serviços Prisionais. A vítima não se queixou seguindo à risca os códigos de silêncio entre presos. Sendo de menor idade, trata-se de um crime público e a investigação foi entregue à PJ que ali «convive» paredes meias com esta prisão…onde este caso inédito ocorreu.

NOVO RECORDE DE PRESOS

Segundo dados que apurámos, há um novo recorde nas prisões portuguesas: o número de presos ultrapassou, pela primeira vez desde 2004, os 13 mil.A Direcção-Geral dos Serviços Prisionais (DGSP) revelou que a 1 de Abril havia 13 285 presos nas cadeias portuguesas: 10 482 condenados (79,7 por cento), 2663 preventivos e ainda 140 inimputáveis. Tendo em conta que um recluso custa, em média, 40 euros por dia, segundo já foi assumido publicamente pelo próprio director-geral das prisões, Rui Sá Gomes, os 13 285 reclusos custam ao Estado 531 mil euros por dia.

Depois de no final do ano passado o número de reclusos ter ultrapassado os 12 mil, o que já não acontecia desde 2006, agora chegou mesmo aos 13 mil. No final de Dezembro estavam detidas 12 681 pessoas, o que significa que, em apenas quatro meses, foram presas mais 604 pessoas. Em relação a 2012, a DGSP apenas disponibiliza as mais recentes estatísticas quinzenais, o que permite perceber que a tendência de aumento do número de reclusos mantém-se: entre 15 de Março e 1 de Abril, recolheram às cadeias 72 pessoas. De acordo com os mesmos dados, que não estão discriminados quanto ao tipo de crimes, 80 por cento dos presos são portugueses e 20 por cento são estrangeiros, percentagem que se tem mantido sem grandes oscilações ao longo dos anos. O mesmo acontece em relação às mulheres, que representam apenas 5,6 por cento da população prisional, que está dividida em estabelecimentos centrais, especiais e regionais.

AUMENTO DA CRIMINALIDADE ALTERA LEIS

Nos últimos anos, a maior queda da população prisional verificou-se em 2008, precisamente após a entrada em vigor das leis penais que restringiram a aplicação da preventiva e alargaram a possibilidade de suspensão da pena. Nesse ano, o número de reclusos baixou pela primeira vez dos 11 mil. No entanto, o Verão quente de 2008 acabou por estar na origem de novas alterações penais, e desde então a população prisional tem vindo a aumentar progressivamente. “Há mais crime e mais crime violento, e as polícias andam mais nas ruas”, diz um magistrado ao CM.

SOBRELOTAÇÃO ATINGE 1541 RECLUSOS

As cadeias portuguesas têm uma lotação de 12 077 reclusos, mas o número já foi largamente ultrapassado, com 13 285 presos nos 51 estabelecimentos prisionais. De acordo com as estatísticas oficiais mais recentes, referentes a 1 de Abril, actualmente há 1541 presos a mais nas cadeias, sendo que a sobrelotação já não é apenas um problema dos estabelecimentos regionais (969 presos em excesso), atingindo também os centrais (572 reclusos a mais).

26
Ago
12

ANTIGO ADMINISTRADOR DA EMEL DENUNCIOU ROUBOS E IRREGULARIDADES E VAI A JULGAMENTO – JORNALISTAS FORAM ABSOLVIDOS

Um antigo responsável da EMEL ( a empresa que se «entretém» a multar e rebocar carros que se encontrem indevidamente estacionados nas ruas da capital) vai ser julgado após ter denunciado na imprensa várias irregularidades, desde desvios de dinheiros, roubos nos parquímetros cometidos por funcionários, acusando directamente que a EMEL teria uma gestão ruinosa, comparando-a à do extinto BPN. Jornalistas que deram eco às acusações escandalosas acabaram «inocentados»…o «denunciante» vai sentar-se no banco dos réus.  

O 5º Juízo do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu não pronunciar os ex- directores dos jornais« I» e «Semanário Privado», respectivamente,  Martim Avilez Figueiredo e José Leite, além de três  jornalistas de ambas as publicações, todos acusados num processo instaurado pela EMEL ( Empresa Pública Municipal de Estacionamento de Lisboa).

No entanto, um antigo administrador daquela empresa, Pedro Policarpo, que denunciara os  factos respeitantes a desvios de fundos, apropriação dos dinheiros de parquímetros por funcionários da empresa e incumprimento generalizado e doloso por parte da EMEL das suas obrigações burocráticas, acabou por ser indiciado e  vai a julgamento pela prática de dois crimes de ofensa a pessoa colectiva por porem em causa a «credibilidade, o prestigio e a confiança devidos à EMEL».

Em causa artigos publicados em 2009 dando conta das suspeições de que funcionários da EMEL andavam a tirar dinheiro dos parquímetros instalados na capital, segundo as denúncias feitas pelo antigo responsável que saiu da empresa em rota de colisão com o executivo camarário liderado por António Costa.

A suspeita sobre os funcionários, relatou o «I», estava documentada num Relatório de Actividades e Progresso (RAP) de Setembro de 2008 e cujo conteúdo foi revelado durante as Jornadas de Via Pública, organizadas pela EMEL, durante as quais foram trocadas acusações entre o responsável da contabilidade e o representante dos trabalhadores,  sublinhando Pedro Policarpo que a discussão teve início quando um administrador da EMEL perguntou se os fiscais tinham acesso físico ao dinheiro»

(…) o episódio acabou por ser reportado no relatório de Setembro, onde pode ler-se: «Parece relevante e de elementar prudência, que no seguimento das acusações que foram trocadas entre funcionários da EMEL se proceda a uma auditoria para que se perceba da eventualidade apontada e relativa a desvios de dinheiro das máquinas».

Referiu o jornal que Pedro Policarpo terá insistido que os desvios eram frequentes e «acontecem com recurso a dois esquemas distintos (…)», chegando a comparar a empresa ao BPN.

O «Semanário Privado», que se deixou de publicar, abordou a mesma questão sob o título «António Costa ‘abafa’ escândalo de milhões na EMEL», num artigo assinado pela jornalista Isabel Guerreiro, sublinhando que «em treze anos de existência, a empresa tutelada pela Câmara de Lisboa tem vindo a acumular prejuízos, serena e impunemente», com o valor do passivo a ultrapassar os 27 milhões de euros, fruto de «uma série de problemas estruturais de gestão»: despesismo, fraca produtividade, ineficácia das cobranças, desvio de dinheiro e negócios ruinosos.

«Toda a gente assiste à agonia de uma empresa que se afoga em fundos públicos sem que ninguém lhe preste atenção de forma responsável», afirmou ao «SP» o antigo vogal do Conselho de Administração da EMEL ( entre Março de 2008 e Janeiro de 2009), acrescentado que aquela entidade não cumpre o serviço para que foi criada, que é ordenar o estacionamento da cidade de Lisboa.

A acusação formulada pea EMEL contra os jornalistas já havia sido arquivada pelo DIAP, mas a empresa pública recorreu e foi o 5º Juízo do TIC de Lisboa que decidiu não os pronunciar. A Procuradora Adjunta que arquivara o processo em 1ª instância relevou o facto  que na data em que os artigos foram publicados, «os mesmos não surgem do nada, com base em boatos não confirmados, antes se encontram em sintonia com outros artigos que vinham a ser publicados a propósito da EMEL e dos prejuízos existentes no seu seio, de que Pedro Policarpo dá conta no seu relatório de actividades».

Sublinhando que o jornalista tem o dever de informar o público das actuações do visado ( no caso, a EMEL que moveu a acção), a procuradora adjunta sublinha ter existido boa fé por parte dos jornalistas e dos dois directores face ao cuidado demonstrado na recolha de informações, pelo que determinou o arquivamento do inquérito e as consequentes queixas de difamação de quer eram denunciados os jornalistas e o antigo administrador daquela empresa que «sobrevive» à conta do erário público.

24
Ago
12

BLOQUEADORES DE SINAL DE TELEMÓVEL À VENDA NA NET USADOS PELOS LARÁPIOS PARA CORTAR ALARMES EM RESIDÊNCIAS

Custam pouco mais de 80 euros e podem ser adquiridos em sites especializados. É a actual ferramenta mais eficaz dos ladrões para desactivar alarmes em residências mas o seu uso pode estender-se à espionagem industrial ou…bloquear as comunicações de uma esquadra da polícia

 Um alerta que nos chega da Polícia. As redes do Leste que se estão a especializar nos assaltos a residências usam bloqueadores de corte sinal de telemovel GSM 3G portátil. Trata-se  de um aparelho denominado Jammer que bloqueia todas as redes num raio de 20 metros (GSM 930Mhz~960Mhz/CDMA 870Mhz~880Mhz/DCS 1805Mhz~1920Mhz). Como a maior parte dos alarmes das casas ou estabelecimentos comerciais têm um cartão de telemóvel acoplado que os liga às centrais das empresas de segurança, basta activar este aparelho junto do alarme para os larápios ficarem com a vida facilitada e entrarem nas residências sem serem detectados.

«Em 3 segundos retira a rede dos telemóveis, depois quando desligar o jammer volta tudo ao normal sem qualquer efeito para os telemóveis ou outro tipo de aparelhos», sublinha a publicidade da venda destes bloqueadores que podem ser aduiridos na net. Lisboa e Ajuda são dois locais indicados para a compra dos mesmos, indicando-se ainda os contactos dos vendedores.

As empresas vendedoras do Jammer publicam mesmo avisos advertindo  para os perigos deciorrentes do mau uso do Jammer:  « ATENÇÃO: À LEGISLAÇÃO NO SEU PAÍS, POIS EM ALGUNS PAÍSES ESTE TIPO DE APARELHOS É PROIBIDO. INFORMAMOS QUE NÃO NOS RESPONSABILIZAMOS POR QUALQUER USO INDEVIDO DO APARELHO. SENDO A SUA UTILIZAÇÃO DA TOTAL RESPONSABILIDADE DO PROPRIETÁRIO DO APARELHO»

Referem ainda que oJammer pode ser «colocado numa sala de reunião, numa sala de conferência, num museu, numa galeria, num teatro, numa sala de concertos, na igreja, no templo, no restaurante, na sala de aula, na fábrica, no banco, no comboio, entre outros locais» … «permitindo estar em qualquer local sem que existam interrupções de telemóvel, evitando interferências numa conferência, distracções numa sala de aula, como por exemplo bloqueia o envio de SMS e realização de chamadas telefónicas, melhorando a qualidade de desempenho da actividade que estejamos a realizar».  

Mas também quem fizer uso criminoso do mesmo pode desactivar as redes móveis,  por exemplo, num comboio (basta colocar um aparelho em cada uma das carruagens e assaltar os comboio nas calmas),ou activar o aparelho junto de uma carrinha de transporte de valores cortando as comunicações com a sede da empresa, via rádio e telemóvel…e que efeito, perguntamos nós, poderá ter o uso do Jammer junto de uma esquadra da polícia impossibilitando os contactos momentâneos entre os elementos policiais…ou mesmo na espionagem industrial…o recurso a potentes Jammer ligados a baterias de automóveis pode cortar todas as ligações de uma empresa concorrente durante períodos intermináveis…

Dados fornecidos pela empresa vendedora na net.

Conteúdo da embalagem: aparelho (Jammer), carregador de parede e carregador de carro.Custo. cerca de 80 euros

Especificações: raio de acção aproximado 3-10-20 metros.

Poder de transmissão: 10 dBm.

Temperatura: – 30º C até aproximadamente 60º C.

Dimensões: 96x45x17mm (sem antena) 169x45x17mm (com 3 antenas colocadas).

 Este aparelho elimina os sinais de telemovel CDMA / GSM  / DCS / PHS / 3G / UMTS / CDMA200 / WCDMA / TD-SCDMA  , ou seja todos os sinais existentes.

É um aparelho extremamente completo de 4 antenas , que funciona de 1 a 15 metros , dependendo do telemovel ou tipo de sinal existente no local.

Simples de usar, só mesmo carregar no botão , podendo ser usado permanentemente quando ligado á corrente , mas sem estar ligado á corrente terá cerca de 2 horas de autonomia , pois tem uma bateria de lithium incorporada ( recarregável).

SÓ LIGAR O BOTÃO DE «ON» PARA BLOQUEAR OU «OFF» PARA TER REDE NOVAMENTE.

Inclui :4 x antenas

1 x Bloqueador de sinal telemovel

1 x Cabo USB ppara carregar em qualquer PC

1 x Carregador de isqueiro para carregar no carro

1 x Carregador de parede

1 x Manual

GSM / 3G Jammer / corte sinal telemovel