08
Maio
12

SIC DE BALSEMÃO PROMOVE MARCHA PARA O CONSUMO DE DROGAS

Ficámos estupefactos quando no sábado passado, no jornal principal da SIC, deparámos com uma desenvolvida reportagem sobre uma marcha que teve lugar em Lisboa – parece que a exemplo do que aconteceu em outras trezentas capitais do mundo – para a legalização do consumo de drogas leves, como a marijuana. Dezenas de jovens não estavam ali a reivindicar oportunidades de emprego e formação profissional, propinas mais baratas, o acesso a um futuro melhor cada vez mais indefinido. O que os motivava era o direito de poderem cultivar na sua varandinha uma planta de marijuana, como se fosse salsa ou repolho, pois segundo eles, era uma forma de acabarem com os intermediários ( leia-se, traficantes) que inflacionam os preços do «produto». Queriam uma Lisboa transformada numa Amesterdão, com liberdade de fumarem umas «ganzas» em cafés ( e mesmo isso está ser cada vez mais limitado naquela cidade holandesa) ou em locais públicos sem serem importunados pela polícia, dando assim um exemplo altruísta aos mais novos, chegando ao ponto de mostrarem a sua indignação pela «perseguição» de que são alvo pelas autoridades, que ao detectarem o consumo em locais determinados, lhes sacam o produto sem dar aquela palha. E para dar um tom mais realista à reportagem, as câmaras da SIC filmavam manifestantes a enrolar «ganzas» e a aspirarem o sabor das «erva», ali no meio da rua, perante os olhares incrédulos de quem passava, levando crianças pela mão, e o amorfismo das autoridades que os vigiavam, entrevistando uma respeitável «avó», que já devia ter idade para ter juízo, com olhar vidrado e rosto corroído pela droga, a exaltar as excelsas virtudes da «erva», indignada por não poder andar a «charrar» por aí à vontade, provavelmente em transportes públicos, nos jardins à beira dos liceus, nos «shoppings» ou em lares da terceira idade.

Convém lembrar o que escreveu o presidente do Conselho Directivo do Instituto da Droga e Toxicodependência, João Goulão, no mais recente documento de análise do fenómeno da droga e consumo em Portugal, datado de Novembro do ano passado:

«Os resultados dos estudos nacionais em populações escolares evidenciam que o consumo da droga, que tinha decrescido em 2006 e 2007, voltou a aumentar em 2010;o recente fenómeno das «smart shops» no mercado português que induz aos jovens uma falsa percepção de nulo ou baixo risco do consumo das drogas legais que comercializam, apontam para um  expectável agravamento do problema das dependências nas camadas mais jovens, numa envolvente de crise económica social que constitui já «per si» um factor de risco para o desenvolvimento do problema associado ao abuso e tráfico de drogas».

Mais preocupante do que os princípios que nortearam esta manifestação – que certamente foi autorizada pelo Governo Civil de Lisboa – é que entidades públicas façam tábua rasa destes estudos – obviamente caros para o erário público – e continuem a pactuar com este tipo de manifestações que mais não visam do que criar a ideia nos jovens, cada vez mais desenraizados e revoltados com a sociedade, que o consumo de drogas lhes alivia e serve de panaceia na resolução dos problemas actuais que enfrentam. E das drogas leves facilmente passam para as pesadas,ficandio a um pequeníssimo passo de cairem no «abismo» Inexplicável que a TV do «tio» Balsemão tenha dado cobertura a este acontecimento revelando um  estranho interesse noticioso.


3 Responses to “SIC DE BALSEMÃO PROMOVE MARCHA PARA O CONSUMO DE DROGAS”


  1. 1 carlos Domingos
    Maio 8, 2012 às 3:33 pm

    Caro Bloggger se ficou estupefacto com a Marcha da marijuana é poruqe anda puco atento, já que é a 7ª em Portugal e exuste todos os anos em mais de 300 paises, mas puco atento é ser muito meigo já que o termo correto é ignorancia, informe-se minimamento sobre os assuntos que escreve é o que aconcelho, já que acha que as drogas leves são a porta de entrada para as pesadas e também deve acreditar que a cannabis mata neurónios…

  2. 2 carlos Domingos
    Maio 8, 2012 às 3:47 pm

    O que mais me preocupa não é o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos ou dos sem ética. O que mais me preocupa é o silêncio dos bons.”
    Martin Luther King
    Por isso é que existe a marcha da marijuana! contra o trafico e contra a corrupção!
    maior cego é o que não quer ver

    • Maio 8, 2012 às 6:51 pm

      Caro amigo não sou eu que digo que as drogas leves são a porta de entrada para as «duras»: são os dados oficiais,os especialistas na matéria, os relatórios do Instituto da Droga e Toxicodependencia a que o texto faz alusão.Vejo que o meu amigo concorda que se ande a fumar charros na rua perante as Cãmaras da TV,o que não deixa de constituir um factor de «intoxicação» para os mais novos.Lamentável que concorde com isso. E os traficantes não precisam destes espectáculos( embora se alimentem deles e os promovam…) eles têm os seus canais próprios e não é pelo facto de se espalhar a marijuana que a heroína e a «coca» deixam de ser consumidas,de forma abundante. Veja as estatisticas relacionadas com o número de apreensões e consumidores. Escreveu o «CM» ( revista) na edição de domingo passado, que a Península Ibérica, Bélgica e Holanda são porta de entrada da cocaína para a Europa, onde se estima que oito milhões de jovens adultos ( dos 15 aos 34 anos) consuma esta droga.Como se poderiam sustentar certas economias subterrâneas? Fico sem saber quem é o maior cego se é aquele que não quer ver o óbvio…ou finge não querer…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: